Blog do Portal

6 coisas que você precisa saber sobre a troca de óleo do carro

abril 17, 2017

Ter noção de mecânica automotiva é muito útil para qualquer proprietário de carro. Isso não quer dizer que tenhamos que ser experts e conhecer todas as peças do carro profundamente — de forma alguma!

No entanto, há problemas que podem ser sanados se você souber lidar com alguns impasses. Um bom exemplo seria a troca de óleo. Saber fazer a troca no momento certo, bem como saber se está na hora de trocar o filtro são conhecimentos simples e que qualquer um pode saber avaliar.

Mas e você, sabe tudo sobre o assunto? Será que sabe a hora certa de verificar o óleo? Sabe qual o óleo indicado para seu veículo? Se é aconselhável ou não usar aditivo?

Então, estas e outras questões geram muitas indagações por parte da maioria dos motoristas. Por isso, resolvemos listar aqui algumas dicas para que você não tenha mais dúvidas sobre o assunto. Acompanhe!

1. Seguir os prazos de troca

troca de oleo

O prazo da troca de óleo varia de acordo com o modelo do carro. Por isso, o aconselhável é consultar SEMPRE o manual do proprietário, onde consta tal informação — que está entre os principais cuidados com o carro.

Em condições de rodagem, o ideal é que a troca seja feita a cada 10 mil a 15 mil quilômetros percorridos. No entanto, em condições adversas, como em altas temperaturas, trânsito ruim, entre outras, é recomendável que esse tempo seja reduzido.

Vale lembrar que é aconselhável trocar o filtro do óleo toda vez que houver a troca do lubrificante.

2. Usar o óleo certo

Não use qualquer óleo no seu carro, nem pergunte ao frentista — ele pode se confundir. Essa informação você terá no manual do carro, onde terá também outras informações acerca da viscosidade e desempenho do lubrificante.

3. Procurar não se exceder ao completar o óleo

troca de oleo

Ao completar o óleo informe-se como proceder. Jamais coloque óleo acima do nível indicado na vareta e nem abaixo dela. Excesso de óleo pode provocar acúmulo de óleo na câmara de combustão. Essa prática pode carbonizar algumas peças, como as velas do motor, bem como provocar vazamentos.

4. Usar ou não aditivos

O ideal é usar sempre o óleo lubrificante original recomendado pelo fabricante, pois já vem com os aditivos certos e balanceados. Não coloque mais aditivos, pois isso pode prejudicar o motor, que ao aumentar a viscosidade em conjunto com a sujeira já existente podem entupir o sistema.

Outro ponto a ser considerado é em relação à garantia. Se for comprovado o uso de aditivos, o proprietário poderá perdê-la.

5. Saber medir o nível de óleo

Você não precisa de um mecânico para saber se o óleo está ou não no nível adequado. Qualquer pessoa pode fazer essa checagem, pois se trata de uma ação simples — que, se você não sabe, pode perfeitamente aprender.

Para isso, basta que você localize a vareta de medição. Existem nela duas marcações e o nível de óleo deve sempre permanecer entre as duas marcas: a mínima e a máxima. A marcação mais próxima à ponta da vareta é o nível mínimo.

Se a vareta estiver molhada apenas na ponta, está no momento de completar o nível. Se estiver acima do máximo, um pouco do óleo do motor terá que ser drenado.

6. Trocar ou não o óleo se ele estiver preto

O que deve ser respeitado é o prazo da troca, conforme especificamos acima. O óleo preto quer dizer que está ocorrendo a limpeza do motor, ou seja, é normal que a aparência do óleo tenha esse tipo de coloração durante a sua validade.

Você curtiu este post sobre troca de óleo? Viu como esse assunto não é um “bicho de sete cabeças” e como ele é importante para a manutenção do carro? Com algumas informações é possível você resolver vários problemas. Se ainda restaram dúvidas, compartilhe-as com a gente e deixe seu comentário!